Acompanhar métricas é trabalho essencial para quem deseja ter bons resultados com seu investimento na estratégia de marketing digital.

A maioria dos profissionais da área faz suas análises utilizando o Google Analytics, a ferramenta mais conhecida de análise de métricas, fornecida gratuitamente pelo Google. 

São dezenas de métricas oferecidas pela ferramenta, para analisar os mais variados aspectos de um site.

Entre os principais números oferecidos, a taxa de rejeição do site é um dos mais conhecidos e também um dos que mais gera confusão em sua análise.

O post de hoje é justamente para melhorar a sua compreensão sobre este indicador. Continue a leitura e aprenda tudo sobre ele!

1. O que é a taxa de rejeição do site?

Segundo a definição do Google Analytics a métrica conhecida como taxa de rejeição — ou bounce rate — significa o número de sessões em que o usuário abandonou o site na mesma página em que entrou sem interagir com ela. Ou seja, o usuário acessa o site por uma página qualquer e decide abandonar sem clicar em nenhum link.

Todo o tipo de saída é contabilizado pelo Google Analytics na taxa de rejeição, desde os cliques no “voltar” até o fechamento da aba ou a digitação de um novo site na barra de endereços.

É importante diferenciar a taxa de rejeição do site da taxa de saída, pois diferente da primeira opção, essa segunda métrica indica apenas o percentual de visitantes que saíram de seu site por uma página específica.

2. Quando devo me preocupar com ela?

Analisar a taxa de rejeição do site é uma atividade muito importante para gestores de marketing digital, pois altos índices desta métrica podem indicar basicamente duas coisas: sua empresa não está atraindo os visitantes certos para o site ou os usuários que chegam não estão tendo uma experiência satisfatória e por esse motivo preferem abandonar o site.

Falar sobre valores da métrica que podem ser considerados altos e preocupantes é um trabalho complicado. Afinal de contas, como a maioria dos indicadores de marketing digital, são muitas as variáveis que podem influenciar no valor do percentual.

No entanto podemos afirmar que sites de conteúdo, como portais e blogs, tendem a ter uma taxa maior.

3. O que fazer para diminuir a taxa de rejeição do site?

Existem diversas formas para reduzir a taxa de rejeição de um site. 

A primeira maneira é utilizando o próprio aprendizado construído a partir das páginas de sucesso do site. Ou seja, o começo desta estratégia é analisar as páginas que têm boas taxas de rejeição, e a partir de uma comparação com aquela que está ruim, compreender o que diferencia ambas e pode impactar no valor da métrica.

De qualquer forma, em linhas gerais, podemos dizer que tudo aquilo que melhora a experiência do usuário deve ser levado em consideração para melhorar os valores da taxa de rejeição.

Usar um design mais atrativo, uma navegação simples e uma arquitetura que facilite a vida do usuário na hora de encontrar a informação são algumas dicas essenciais neste sentido.

O conteúdo também é grande responsável por esta redução. Por esse motivo procure evitar grandes blocos de texto e na hora de produzir seu conteúdo pense sempre na escaneabilidade do texto.

Tamanhos de fonte e contraste entre cores são muito importantes para melhorar a compreensão dos textos, assim como a utilização de títulos e subtítulos. 

No mais, links internos inseridos nos lugares certos ajudam a diminuir a taxa pois facilitam a continuidade da navegação do seu visitante.

Compreender a taxa de rejeição do site e o seu impacto na performance da estratégia de marketing digital é essencial para garantir a manutenção dos bons resultados em seu negócio.

Quer receber mais conteúdos como esse diretamente em sua caixa de entrada? Então assine aqui a nossa newsletter!