OS AUTÔNOMOS

Analisando de forma macro como as pessoas farão compras na transição 2018/2019, descobrimos uma tendência de comportamento das gerações X e Y mediante a realidade virtual e as marcas.

Dito isso, criamos um conteúdo especial sobre os consumidores autônomos e quais as suas prioridades e interações com mercado, redes sociais e marcas. Bora conferir?

O QUE SÃO OS CONSUMIDORES AUTÔNOMOS?

Considerando que, até 2020 teremos cerca de 50 bilhões de dispositivos conectados, fica fácil entender como o mundo terá uma capacidade de atenção mais reduzida do que nunca vimos. Você não está sozinho. Mas pode ser que se sinta sozinho.

Os consumidores autônomos são indivíduos das gerações X e Y são aqueles ocupados, bem sucedidos, financeiramente estáveis e no auge de suas carreiras e também, os que mais se sentem solitários.

A professora de neurociência da Brigham Young University, Julianne Holt-Lundstad, desenvolveu uma pesquisa que mostrou que a falta de conexões sociais reais é tão prejudicial à saúde quanto fumar 15 cigarros por dia.

Mesmo com interações digitais existindo, a solidão é algo epidêmico. Uma pessoa pode ter 60 mil seguidores no Instagram e ser sozinha emocionalmente. Com as relações sociais da vida real cada vez mais robóticas, o consumidor autônomo é aquele que precisa de mais atenção para gerar engajamento com uma marca.

MUNDO REAL

Todos nós temos um conhecido que se tornou um zumbi do smartphone, não é mesmo?!  Aquela pessoa sempre de cabeça baixa ou fones de ouvido, evitando qualquer contato humano.

Estudos apontam que esse comportamento tem menos a ver com querer evitar a interação e mais com a falta de capacidade de interagir. As pessoas perderam o tato social. E algumas preferem não se arriscam no mundo real e constroem suas vidas no on-line.

Mas, calma, nem tudo está perdido. Em um mundo dominado pela tecnologia, e claro, que não vai recuar. Soluções criativas das marcas podem construir laços afetivos ainda mais fortes com o consumidor, seja autônomo ou não.

COMO FALAR COM O CONSUMIDOR AUTÔNOMO?

Numa tentativa de criar um canal de comunicação com esse consumidor,  vender seus produtos e dar novamente ao comércio um viés social, algumas empresas no mundo tem reduzido o acesso às redes wi-fi e dispositivos eletrônicos.

Na loja da Bloomsbury Street, em Londres, até mesmo as tomadas estão bloqueadas. Claro que, isso afastou pessoas que trabalham remotamente, mas, os cafés estão se tornando novos locais de convívio social. As pessoas vão lá para conversar, não para tuitar ou publicar no Instagram.

Os  consumidores autônomos, mesmo que inconscientemente, buscam o toque físico e emocional. A medida que a realidade virtual está cada vez mais presente e dominando nossas vidas em várias esferas e não tenhamos como fugir, as interfaces que estimulam o toque social e emocional são importantes elementos de diferenciação de marca.

E você? Se encaixa nesse perfil de consumidor autônomo?

Conta pra gente nos comentários o que você acha sobre isso.

Fonte de dados: wgsn