Futuro sem pressa

Nos próximos anos, passaremos um tempo revendo as ideias do passado e traremos à tona conceitos esquecidos, usando a memória como um trampolim para a criatividade.

À medida que nossas vidas se aceleram e o tempo parece cada vez mais escasso, vamos apreciar e encontrar inspiração em momentos de tédio, e prazer em não ter pressa.

Os produtos serão projetados para durar, como antigamente na época dos nossos pais. Caso contrário, a economia circular se encarregará de renová-los. Uma nova filosofia será adotada: a de comprar menos.

Esta é uma tendência para um momento de transição, removendo os excessos e trazendo a leveza de ser. Será? Leia agora!

O VALOR DA MEMÓRIA

A “amnésia digital” e a “amnésia corporativa” estão afetando os cérebros, as marcas e os lucros.

Estudos sugerem que a perda de memória começa aos 20 anos e jovens adultos, com 20 e 30 anos, podem estar perdendo a memória na mesma velocidade que as pessoas com 60 e 70 anos.

Isto se deve, em parte, à amnésia digital – a tendência de esquecer informações importantes graças à crença de que elas podem ser recuperadas através de um dispositivo digital.

A ‘amnésia das marcas’ é outra preocupação. A taxa de rotatividade nos cargos aumenta e isto tem um forte impacto. Perder funcionários significa perder o conhecimento institucional, que é um componente crucial para o sucesso de uma empresa.

Uma pesquisa da PayScale de 2012 descobriu que a média de tempo na empresa de um funcionário da Geração do Milênio é de dois anos, comparado aos sete anos para a Geração Baby Boomer.

E que 30% das empresas perderam 15% ou mais de seus funcionários da Geração do Milênio no período de um ano.

Juntando isto com o crescimento da classe criativa (mais freelancers e consultores), o resultado são diversas empresas que sofrem de amnésia corporativa – departamentos inteiros que não conhecem a história da marca.

ENTEDIADO SIM

Você se lembra quanto tédio se tornou uma palavra ruim? Vivemos um culto à produtividade excessiva e a todo custo.

E entediar-se não significa necessariamente ficar sem fazer nada. Estudos recentes apontam que o tédio incita o pensamento criativo e, sem ele, nos tornamos complacentes.

O pesquisador e acadêmico Andreas Elpidorou, autor do artigo The Bright Side of Boredom (O Lado Bom do Tédio), diz: “Com a ausência do tédio, é possível ficar preso em situações desprazerosas e perder experiências recompensadoras, sejam elas emocionais, cognitivas ou sociais.

O tédio é um sinal de que não estamos fazendo o que queremos. É um ’empurrão’ que nos motiva a transformar nossos projetos e metas.”

Em um mundo 100% conectado, como podemos ficar entediados? Veja o exemplo da Geração Z. Diferente de seus colegas mais velhos da Geração do Milênio, a Geração Z parece se divertir com atividades que permitem devaneios conscientes. Como o estímulo tecnológico é constante, o tédio é uma raridade, algo que vale se gabar nas redes sociais.

INSIGHTS IMPORTANTES

  • Ter tempo é o novo luxo.  Em um mundo sempre conectado, veremos os benefícios da lentidão, do silêncio e até mesmo do tédio. Estes momentos incitam o pensamento criativo e nos motivam a buscar novas metas e projetos.
  • O movimento constante tornou-se a nova regra e, a partir deste estado, surge um novo apreço pela inércia e pela beleza da lentidão.
  • Nesta era de mudanças contínuas, o cargo de diretor executivo da memória, dedicado a arquivar e interpretar a história de uma marca, ganhará mais importância. Este trabalho dará às empresas uma sensação de continuidade, permitindo que elas caminhem em direção ao futuro com um olhar no passado.
  • Os produtos serão feitos para durar. Os que não forem terão um propósito, pois a economia circular encontrará novos usos para seus antigos materiais. Adotaremos a filosofia de comprar menos.
  • Em um contexto em que a vida se torna cada vez mais virtual, há um novo apreço pelo toque como necessidade básica do ser humano. O resultado é um movimento contrário, em busca do real, do tátil e do texturizado. A característica física dos nossos arredores assume uma nova importância. 

Fonte: WGSN

Queremos saber sua opinião, o que você pensa sobre isso? Conta pra gente aqui nos comentários =)